Fechado reajuste para 2016

CAMP 2016

No sábado, (22/10) em assembleia geral de campanha salarial da Rede Conveniada 2016, foi aprovado, por maioria dos trabalhadores (as) presentes à assembleia, o acordo coletivo e, por conseguinte, o índice de reajuste salarial de 10%. O referido índice de reajuste foi conseguindo após vários meses de negociações com o sindicato patronal e com o poder público municipal.

Nas negociações, a prefeitura alegava não ter recursos para pagar o reajuste salarial dos trabalhadores. Por outro lado, o sindicato patronal, não se comprometia em estabelecer um índice de reajuste, uma vez que a prefeitura não garantia o repasse e, que as entidades, já vinham arcando com percentuais de anos anteriores. Como, por exemplo, de 2015, quando o acordo entre patrão e empregado foi de 9,5% e a prefeitura repassou apenas 5,5%.

Durante todo o processo de negociação a direção do Sindicato se deparou com essas as dificuldades. Porém, não abrimos mão do direito do trabalhador ter o reajuste, de pelo menos o índice da inflação do período anterior.

A nossa justificativa foi que os trabalhadores da Rede conveniada não são funcionários públicos e por isso não aceitaríamos o reajuste na forma que os professores da rede direta receberam, ou seja, parcelado e em dois ou três anos.

Lembramos que poucas categorias profissionais conseguiram reajuste acima da inflação. Nós, trabalhadores (as) da Rede, conseguimos um reajuste um pouco acima da inflação, ou seja, a inflação dos últimos 12 meses foi na casa do 9,15%, e negociamos 10%, com um aumento real de 0,85%.

Porém, nem tudo são flores. A prefeitura concordou com o índice de 10%, mas justificando não ter dinheiro em caixa para o ano de 2016, condicionou o repasse do rejuste em duas vezes: 4%, retroativo ao mês de julho e mais 6% em janeiro, sobre o salário reajustado com os 4%.

Diante desta imposição da prefeitura de conceder o reajuste, acima da inflação, mas condicionado ao repasse em duas vezes. Do cenário adverso, critico e de instabilidade política e econômica e, sem falar na incerteza jurídica com a possibilidade da proposta de reforma trabalhista, em que não se fechando acordo coletivo no ano vigente, as cláusulas do acordo coletivo do ano anterior, podem perder a valida. Ou seja, não mais ser válido e passando a vigorar somente os direitos negociados no acordo vigente (2016).

Com toda essa instabilidade conjuntural, o sindicato chamou uma assembleia geral da categoria e colocou todas as dificuldades apresentadas. Enfatizando todos os ônus e bônus de não se aceitar a proposta negociada junto ao sindicato patronal e a prefeitura.

Após a apresentação os trabalhadores presentes a assembleia decidiram por aceitar a proposta negociada de 10%, pago em duas vezes.

Entendemos não ser uma vitória contundente, mas também não é uma derrota, haja vista os índices de reajustes alcançados por outras categorias profissionais, este ano, durante esse período de instabilidade.

Neste sentido, solicitamos a todos os trabalhadores que acompanhem se as entidades então passando os índices acordados e, caso não esteja, que comuniquem imediatamente ao sindicato para que sejam tomadas as providenciais devidas.

 

Sitraemfa

Rua Gonçalves Crespo, 324 Tatuapé/SP
Tel: (11) 4324-5915
Horário de atendimento: 10h às 18h

 
 

Filiado a

CUT CNTSS