Dia do Índio: data não é vista como comemoração, mas como ato de resiliência, diz FepoiMT

A Federação Mato-grossense dos Povos Indígenas (FepoiMT) afirmou que a data celebrada do Dia do Índio nesta terça-feira (19) não é vista entre os indígenas como uma comemoração, mas sim como um ato de resiliência.

"Frente à discriminação, racismo e preconceito, esse dia não é de homenagens, e sim de resiliência, de lembrar dos impactos das mudanças climáticas, na qual até as cidades não estão preparadas", afirmou.

"A nossa luta é por demarcação de terras, pois há povos com esta demanda por políticas públicas construída conosco, investimentos nas áreas de educação, saúde e alternativas econômicas como as cadeias produtivas como castanha, mel, açaí, mandioca e artesanato", disse.

De acordo com a Fundação Nacional do Índio, Mato Grosso tem, ao todo, 68 terras indígenas, sendo 55 regularizadas, 4 delimitadas e 9 declaradas. Os dados mais recentes são de 2018.

Data institucionalizada

O dia do Índio foi oficializada por uma lei de 1943, pelo então presidente Getúlio Vargas, durante o regime do Estado Novo.

Na época, a data foi uma inspiração do desenvolvimento da etnologia, um ramo do conhecimento que estuda as culturas originárias. Isso ganhou fôlego para construir políticas públicas para valorizar a cultura indígena, com o chamado Congresso Indigenista Interamericano.

 

Leia matéria na íntegra aqui

Sitraemfa

Rua Gonçalves Crespo, 324 Tatuapé/SP
Tel: (11) 4324-5915
Horário de atendimento: 08h às 17h

 
 

Filiado a

CUT CNTSS