Consciencia negra 11 11

 

O SITRAEMFA participou do Encontro Estadual de Combate ao Racismo da CUT/SP dialogando sobre temas como cotas no serviço público, paridade na Central e novos rumos da política. Ciente da movimentação que está ocorrendo o SITRAEMFA chama a todos os companheiros (as) para participar da Marcha Contra o Racismo dia 20.11.2014 que sairá do vão do MASP.  Devemos combater o preconceito seja qual for e de que forma vier. 

 

Dirigentes defendem ações afirmativas, igualdade de gênero e formação política nas ações de combate ao racismo

Nas intervenções, os sindicalistas refletiram sobre o preconceito e a discriminação, normalmente mascarados no cotidiano, mas escancarados nas redes sociais durante o período eleitoral.  Os avanços dos últimos doze anos são celebrados - entre os quais o Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010) e a igualdade de direitos aos trabalhadores/as domésticos/as (Emenda Constitucional nº 72/14), mas a expectativa agora é que as garantias conquistadas sejam ampliadas e aprofundadas, com uma inclusão promovida com recorte racial maior que atualmente. 

Acirrar o enfrentamento contra o extermínio da juventude negra é outro embate unânime e, entre outras ações, exigirá pressão nas ruas para aprovar o Projeto de Lei 4471/2012 (PL), que prevê a investigação de mortes e lesões corporais cometidas por policiais - hoje livres de apuração com o registro dos autos de resistência ou resistência seguida de morte. Na prática, a aprovação do PL colocará fim aos autos, mas a tramitação está parada na Câmara do Deputados desde abril último.  

A importância de garantir voz à representação do movimento negro na 2ª Conferência Nacional de Segurança Pública - Conseg 2015, prevista para o segundo semestre do próximo ano, também foi destaque nas intervenções. 

 

 

Governador insiste que problema não existe, mas pode ser investigado para averiguar se seu governo também é responsável pelo secamento do Sistema Cantareira e das torneiras paulistas

Escrito por: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa, tem até esta quinta (2) para decidir se abre ou não inquérito civil contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB) por conta da omissão de seu governo para prevenir e minimizar a crise hídrica pela qual passa o estado de São Paulo desde o fim do ano passado. De janeiro para cá, o Sistema Cantareira, maior complexo de represas do estado, responsável pelo abastecimento de água de mais de 8 milhões de pessoas na região metropolitana, zerou seu volume útil e já está com apenas 6,7% da capacidade do "volume morto", reserva próxima do fundo das represas, abaixo da captação normal de água.

O pedido, ao qual a Rede Brasil Atual teve acesso com exclusividade, foi protocolado pelo procurador de Justiça Sérgio Neves Coelho no último dia 2, e cumpre o rito normal, de 30 dias até a decisão do chefe do Ministério Público. A reportagem busca os promotores do Meio Ambiente e do Grupo de Atuação Especial para o Meio Ambiente (Gaema), que realizaram a apuração inicial, há cerca de 20 dias para comentar o processo, mas não obteve resposta. O texto, curto, destaca que "o chefe do Poder Executivo Estadual tem-se negado a reconhecer a gravidade da crise de abastecimento de água". No último debate antes do primeiro turno das eleições, nas quais Alckmin concorre à reeleição, o governador insistiu, por diversas vezes, que não existe racionamento, e que mesmo em 2015 não deve faltar água no estado.

A realidade, no entanto, coloca o discurso do candidato tucano em xeque: no interior paulista, pelo menos oito municípios já decretaram estado de emergência pública por falta de água. Em Itu, a 74,4 quilômetros da capital, protestos contra a falta de água na última semana causaram tumulto e levaram ao apedrejamento da Câmara Municipal. Em Osasco, desde março cerca de 1 milhão de pessoas têm água um dia sim, dois dias não. Nas zonas norte e leste da capital, milhares de pessoas passam atualmente por racionamento à noite –a água deixa de vir por volta das 22h e retorna apenas de manhã.

Embora o governador ressalte que tem feito obras para interligar os reservatórios de água do estado e minimizar o problema de abastecimento, o que tem ocorrido nos últimos meses é que as demais represas, que preservavam níveis acima de 80% antes da interligação ao Cantareira, começaram a esvaziar rapidamente. O sistema Alto Tietê, por exemplo, primeiro a ser interligado emergencialmente ao Cantareira, conta hoje com apenas 12,4% de sua capacidade total. O sistema Rio Grande, último a ser utilizado como reforço para as áreas antes atendidas pelo Cantareira, caiu de 94% de capacidade em junho deste ano para 75% ao fim de setembro.

Promotores do Ministério Público reúnem informações sobre a crise hídrica em São Paulo desde o começo do ano. Ao longo dos trabalhos, a gestão de Alckmin foi questionada por diversos motivos: em primeiro lugar, por não ter atendido indicação de 2004 da Agência Nacional de Águas, do governo federal, e do Departamento de Água e Energia, do próprio governo estadual, para que o governo buscasse alternativas para o Sistema Cantareira.

Averiguam ainda se a Sabesp poderia ter investido mais do que investiu em melhoria no sistema de captação e conserto dos vazamentos no sistema (hoje, estima-se que a Sabesp perde até 30% da água limpa que transporta por conta de furos na tubulação). Promotores questionaram ainda a ausência de um banco de águas no estado, e a insistência do governador em não instaurar racionamento oficial no momento mais grave da crise: de acordo com o Gaema, se o governo permitir o secamento integral da represa, os danos ambientais são imprevisíveis, e o Sistema Cantareira corre o risco de não se restabelecer completamente.

Conflito de interesses
Caso o inquérito contra Alckmin seja aberto, Elias Rosa, como chefe do Ministério Público, se colocará em conflito com a própria esposa, Carla Elias Rosa. Ela é funcionária de carreira da Procuradoria-Geral do Estado desde 1987, e foi nomeada por Alckmin para a assessoria jurídica da Casa Civil em setembro de 2013. Na prática, ela atua como advogada de defesa do governo do estado de São Paulo em processos como o que aguarda deferimento, e que pode gerar condenação de improbidade administrativa e perda de direitos políticos para Alckmin.

contribioção NEGOCIAL

Todos têm conhecimento que o Sindicato de Classe visa a garantia de direitos dos empregados sob sua tutela, todavia, para manter a estrutura sindical é necessário as contribuições dos sindicalizados, sob pena de tornar insustentável toda a estrutura posta a disposição da categoria.

 

Sabemos que a cada período o trabalhador contribui com valores, valores estes que são destinados a manutenção da estrutura sindical, bem como garantir a possibilidade de que as pessoas que representam a categoria busquem melhores saída no que tange a direitos e garantias.

 

Os valores recolhidos anualmente são ínfimos, todavia, somente com tais recolhimentos é possível manter a estrutura sindical em funcionamento.

 

Ademais, em recente decisão o Juiz da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo, determinou a inaplicabilidade da convenção coletiva, frente a negativa do trabalho em recolher as contribuições negociais. Vejamos:

 

“(...)

  6. Inaplicabilidade de convenção coletiva de trabalho 
O autor sustentou não ser sindicalizado e, por isso, negou-se a contribuir para a entidade sindical dos trabalhadores. A despeito disso, pretende ver aplicadas a seu contrato de trabalho as cláusulas de negociação coletiva que estipulem direitos dos empregados da categoria.

Tal comportamento viola a cláusula geral de boa fé objetiva (Código Civil, art. 422). Se é certo que a sindicalização é faculdade do cidadão, não menos certo é que as entidades sindicais devem ser valorizadas, e precisam da participação dos trabalhadores da categoria (inclusive financeira), a fim de se manterem fortes e aptas a defenderem os interesses comuns. Aliás, como qualquer associação de particulares.

Já que o autor não concorda em contribuir com o sindicato, é justo que também não aufira as vantagens negociadas por este em favor da categoria profissional. “Ubi emolumentum, ibi onus”.

Por essas razões, não procedem os pedidos pertinentes a direitos previstos na convenção coletiva de trabalho, conforme os tópicos respectivos.

(...)” (processo número 01619200903002009).

 

Assim, trabalhador não seja conivente com os empregadores, faça valer seus direitos, e acima de tudo, não peçam cancelamento da contribuição, pois somente ela pode garantir que seus direitos serão respeitados, destacando que as contribuições são essenciais para a manutenção da estrutura sindical em funcionamento que visa a garantia dos direitos dos empregados.

rede 06 09

 

Hoje, 06 de setembro, em Assembleia Geral da categoria de Campanha Salarial de 2014, os trabalhadores da Rede Conveniada deliberaram por aceitarem os 7% de reajuste.

A direção do Sitraemfa salientou que a luta para conquistar este reajuste se deu muito além da Campanha Salarial e que estiveram reunidos com a Secretaria de Assistência Social, da Educação e do Governo, nos Fóruns do FEI e FAS para garantir este reajuste.

Antonio, da executiva do FAS salientou que a categoria precisa de um conjunto de direitos que estão na valorização profissional com capacitação para todos.

A mobilização continua

Os trabalhadores (as) aceitaram o reajuste, mas continuarão na mobilização, pois é necessária a luta em conjunto para garantir melhores condições de trabalho e qualidade nos serviços. E a redução da jornada é nossa bandeira de luta, reafirma Maria Aparecida Nery, vice-presidente do Sitraemfa.

Ainda ficou deliberado um seminário para a Educação com o tema “Que Educação que Queremos”. E posteriormente será realizado um para a Assistência Social.  

 

 

educação fisica
A comemoração do dia do professor de educação física acontece no dia 1º de setembro, em razão de a profissão ter sido regulamentada através da lei federal de número 9.696/98 e publicada na mesma data.

A ideia da data surgiu na comemoração de São Cosme e São Damião, pois nesse dia os professores de educação física organizavam brincadeiras para divertir a garotada, entregando-lhes várias guloseimas e doces.

Quatrocentos e cinquenta anos antes de Cristo, o grego Miron criou o símbolo das práticas esportivas, o Discóbolo, um arremessador de disco; o que comprova que os esportes existiam desde os tempos mais antigos.

No Brasil, historicamente falando, consideram que desde o período da colonização a educação física era praticada em nossas terras.

Os índios corriam atrás de suas caças, nadavam, atiravam arco e flecha e dançavam, jogavam peteca, lutavam entre si e brincavam de corrida dos troncos. Já os negros africanos, que vieram como escravos para o Brasil, dançavam a capoeira e faziam as lutas corporais, aprendidas através da observação dos animais em seu país de origem.

Mas somente em 1851, através da lei nº 630, que a ginástica foi incluída nos currículos das escolas primárias e secundárias, onde eram praticadas quatro vezes por semana.

Na década de oitenta, após o período da ditadura militar, a prática de esportes passou a ser vista de forma mais ampla, formando-se os primeiros grupos profissionais. Para isso, eram necessárias empresas que patrocinassem os atletas e a manutenção dos times e equipes. Foram os primeiros passos para iniciar as formações esportivas de qualidade no país, de onde colhemos os frutos plantados por longos anos, obtendo grandes conquistas para o país em campeonatos mundiais.

O campo de trabalho dos profissionais de educação física cresceu bastante nos últimos anos, deixaram de ser apenas professores de escolas ou academias, estendendo seu campo de atuação.

Hoje trabalham como “personal trainers”, desenvolvem programas de emagrecimento para crianças e adultos, organizam trabalhos de acréscimo muscular, que são muito valorizados em razão da população cultuar o aspecto físico, estar mais vaidosa, buscando um corpo belo, cheio de formas e músculos aparentes.

Os professores de educação física são responsáveis por observar um aluno durante a prática de exercícios físicos, os orientam a fazer alongamentos para aquecer a musculatura e evitar que se machuquem, corrige a postura durante a realização dos exercícios, confere os batimentos cardíacos dos atletas, verifica a respiração e o cansaço dos mesmos, não permitindo que ultrapassem seus limites.

O melhor para esses profissionais é trabalhar com o aspecto lúdico, ajudando as pessoas a liberarem suas tensões e se tornarem mais felizes.

dia-do-advogado-1

Nosso homenageado é um exemplo.

Um eminente advogado, que espelha, com toda a certeza, a nossa digna profissão. Colega que sempre pautou sua vida profissional no trabalho, na honestidade, na justiça e na defesa da classe. Advogado magnânimo, impoluto, que todos aprendemos e estamos habituados a admirar. Que teve uma trajetória firme, um caminho certo, norteado de probidade. Advogado de coração, abnegado pelo direito, que é um exemplo a ser seguido. Homem de trabalho, que fez e faz, não só pela advocacia, mas também pela sociedade. Poderia discorrer horas sobre as qualidades, virtudes, caráter, histórias do nosso homenageado, mas certamente pecaria, pela falha de memória em deixar algo esquecido, razão pelo qual prefiro enaltecer o nosso homenageado, dizendo-lhe em nome de todos, que sentimo-nos felizes de proclamarmos os nossos vibrantes sentimentos de admiração e de louvor, o nosso orgulho por tê-lo como exemplo aqui. Dr. (a), resta-me agradecer-lhe pelo exemplo de advogado a ser seguido por nós, e, principalmente, para as gerações vindouras, que sempre terão na sua imagem um norte seguro para suas condutas profissionais. Assim para finalizar, quero apenas dizer-lhe obrigado. Obrigado pelo senhor ter escolhido essa nossa profissão de advogado.

 

 homenagem interna 484-300

Delegados/as também aprovaram o Plano de Lutas que vai nortear as ações da Central até o próximo Congresso, em 2015.

O grande destaque deste último dia foi a emocionante homenagem prestada aos/as companheiros/as vítimas do golpe militar.

Com fé e coragem, dedicaram suas vidas à luta pela liberdade e democracia e são hoje exemplos para nortear o caminho de construção de uma sociedade justa, igualitária, solidária e verdadeiramente democrática.

Ao som da música 'Andanças' interpretada pela cantora Beth Carvalho, os delegados e delegadas balançavam uma rosa com a frase do poeta Bertold Brecht - "Os poderosos podem matar uma ou duas rosas, mas nunca conseguirão deter a chegada da primavera" -, ao mesmo tempo em que pessoas adentravam ao Plenário carregando um cartaz com a foto e o nome de cada homenageado.

"Contar a história pelas nossas mãos para que nunca mais aconteça", resumiu Expedito Solaney, secretário de Políticas Sociais da CUT.

Rosas em homenagem aos combatentes - Como sempre tem feito, Solaney fez questão de ressaltar a atuação dos militares para desmantelar a organização da classe trabalhadora.
Somente no primeiro dia do golpe, 400 sindicatos do campo e da cidade sofreram intervenções do Estado. Ao longo dos 21 anos de ditadura, diversas diretorias foram cassadas, líderes sindicais perseguidos, torturados, mortos e muitos ainda seguem desaparecidos.

Uma das primeiras ações dos militares foi acabar com a estabilidade no emprego. Logo depois vieram os inúmeros atropelos aos direitos trabalhistas como a lei do arrocho salarial, lei de greve, demissões, ataque a liberdade, fim das organizações sindicais.

Quando o governo militar promulgou a Lei de Anistia no final da década de 70, reconheceu a existência de 500 mortos e desaparecidos. Destes, quase 60% eram trabalhadores.
Agir contra a impunidade - O dirigente da CUT ressaltou o protagonismo da Central na luta pela redemocratização do País e elogiou a coragem do governo Dilma em instalar uma Comissão Nacional da Verdade, mesmo que
tardia (27 anos depois do fim da ditadura).

"Queremos que o relatório final da CNV traga em suas recomendações a revisão da Lei de Anistia para que possamos julgar e punir todos os militares", disse Solaney.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, acrescentou que a iniciativa de julgamento e punição não pode se restringir aos militares, mas deve incluir todos que colaboraram para a sustentação da ditadura. “E os empresários, que financiaram a estrutura repressiva, torturadora, assassina do golpe? A sociedade precisa saber disso, e a divulgação de tal história também é uma tarefa nossa e da Comissão Nacional da Verdade”.
O encerramento da Plenária foi espaço também para o lançamento de mais uma edição da revista “Forma & Conteúdo”. O secretário de Formação da CUT, José Celestino, o Tino, destacou a consolidação da rede nacional formativa da Central. “Essa revista, com a contribuição de diversos educadores, assessores e dirigentes, reflete esse momento”.

Plano de Lutas - Na manhã desta sexta foi apresentado também o Plano Nacional de Lutas, um conjunto de diretrizes para as ações da CUT daqui até o próximo Congresso Nacional, que acontece no ano que vem.
O Plano foi elaborado por consenso entre todas as correntes políticas que compõem a CUT, e portanto de conhecimento de todos os delegados e delegadas presentes.

Entre os destaques do Plano, o firme posicionamento da Central contra os bombardeios de Israel sobre o povo palestino e pelo fim do conflito que já dura décadas – tema que mereceu igualmente uma moção assinada por todos os presentes e que percorrerá todos os sindicatos antes de ser entregue a autoridades do Estado de Israel.
Outro tema recorrente é a necessidade de reeleger o projeto político representado pela presidenta Dilma, o que inclui governadores e parlamentares identificados com o projeto. Neste item, está decidido inclusive que a CUT e integrantes de outras centrais que defendem a reeleição de Dilma farão uma plenária de apoio no próximo dia 7, no Ginásio do Canindé, em São Paulo.

Empenho para obter uma maciça votação no Plebiscito Popular pela Reforma Política, que acontece entre os dias 1º e 7 de setembro, é outro ponto abordado pelo Plano. No próximo dia 12 de agosto, acontece o Dia Nacional de Mobilização do Plebiscito, quando haverá panfletagem e corpo-a-corpo em todas as regiões do Brasil.

Avaliação - Sobre os resultados da Plenária, Sérgio Nobre, secretário-geral da CUT e coordenador da atividade, afirmou: “Conversei com todos os delegados e delegadas ao longo dessa semana e todos têm me dito que saem desses debates muito mais energizados e bem preparados para enfrentar nossos desafios. Outro aspecto importante é acompanhar as intervenções em plenário e confirmar, mais uma vez, a qualidade e o preparo de nossos dirigentes e militantes. Por isso somos, disparados, a melhor Central sindical do Brasil”.

Para o presidente Vagner Freitas, a Plenária foi uma das mais importantes da história da Central. “A unidade com os movimentos sociais confirmada por esta Plenária, nosso posicionamento frente ao período eleitoral, a reação da direita a nossas ações comprovam que somos protagonistas no enfrentamento da elite preconceituosa e antinacionalista”, disse. E lançou um desafio: “Em cada esquina onde houver um conservador ou direitista falando inverdades, haverá um ou uma militante desta Central fazendo o debate político qualificado”. 

CUT SP

04/08/2014

 

Escrito por: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

camp 1camp 2 camp 3

Reuniram-se, na Subsede do SITRAEMFA, em São Miguel Paulista, com o companheiro Chiquinho, coordenador da campanha do deputado federal Francisco Chaga e os diretores da Rede Conveniada Maria Gusmao (leste 1), Maxwel Moraes (leste 2), Fatima Paiva (leste 3) e Tenilda Oliveira (leste 2) e Terezinha (Oeste) e os diretores da Fundação Casa Jaqueline Melo (Baixada Santista), Egnaldo (Marilia), Patrick (Iaras), Alan Marcio (Campinas) e o companheiro André, representante de base, (Aguas de Santa Barbara) com o objetivo de discutir o apoio as candidaturas dos companheiros Francisco Chagas à Deputado Federal e Teonílo Barba à Deputrado Estadual.

Durante a discussão foi falado da história de luta dos dois companheiros e da importância de centrar forças nas campanhas da companheira Dilma para presidente e do companheiro Padilha para governador. Ao final da reunião todos os diretores presentes decidiram apoiar a candidatura dos companheiros Francisco Chagas e Teonílio Barba para deputado federal e estadual respectivamente.

 

           bandeira do Brasil

            O Brasil vive um dos melhores momentos de sua história. O crescimento social e econômico com distribuição de renda tem sido um diferencial em relação às décadas anteriores. Outra questão que tem elevado, positivamente, esse momento é a realização de grandes eventos esportivos e sociais. Um exemplo disso é a realização da Copa do Mundo de Futebol. Mesmo com um grande numero de pessimistas os quais diziam que não ia ter copa e a realização de inúmeras manifestações contra o evento.

A Copa é uma realidade e tem se mostrado um grande sucesso. Até o presente momento não houve um incidente negativo e pesquisa realizada sobre o olhar dos turistas em relação ao Brasil tem demonstrado que os mesmos estão satisfeitos com a receptividade do povo brasileiro. Existem problemas, claro que sim, com houveram em outros países, mas nada que coloque em risco o sucesso do evento. Está demonstrado que houveram ganhos com a realização da copa em diversas áreas como geração de trabalho e renda, infra-estruturar, comercio e desenvolvimento econômico das regiões sedes dos jogos.

            Fazemos saber que iniciamos o assunto com essa introdução para repudiar a manifestação ocorrida no jogo de estréia da Copa, na Arena Corinthians, onde foi protagonizada a maior demonstração de falta de respeito e patriotismo promovida por grupos da elite brasileira. Sabemos que a referida manifestação não representa o sentimento da maioria do povo brasileiro que, por natureza, é respeitador, ordeiro, educado e sabe receber bem as pessoas e rechaçam esse tipo de manifestação desrespeitosa e ofensiva que depõe contra a imagem do Brasil mundo a fora. 

Principalmente quando atinge um dos maiores símbolos da nação brasileira, a presidenta da república. Como pode ser visto, fica caracterizada a revolta e o revanchismo da elite brasileira contra as medidas populares e o sucesso do governo da presidenta Dilma.

A elite tacanha e fascista ”protesta” nas poltronas luxuosas dos imponentes estádios, que como dizem: foram construídos com dinheiro público. Isso é o cumulo da incoerência e do absurdo. Para a felicidade da grande maioria, a Copa do Mundo está acontecendo e é um sucesso. A população está cada vez mais se envolvendo e participando do evento.

Vamos entender o que está por traz dessa manifestação. Sabemos que Copa do Mundo não é o foco das manifestações. Ou seja, o que está em jogo é são a eleição presidencial de outubro deste ano. A elite brasileira vê mais uma vez a possibilidade de uma nova derrota nas urnas. Acreditam que, se a copa for um fracasso, ganham a eleição e passam a governar o país. Esse é o desejo e objetivo dessa elite fascista.

O Brasil tem nos últimos 12 anos gerando milhares de postos de trabalho e gerando renda para os que mais necessitam. Do mesmo modo, vem promovendo o maior crescimento econômico e social já visto. O desenvolvimento tem gerando o acesso da população pobre aos bens de consumo, a trabalho de qualidade e renda digna, a educação e acesso aos bens culturais e ao turismo.

A elite brasileira não se conforma em ver os filhos dos trabalhadores, hoje, sentados no mesmo banco de universidades que os seus filhos e, não admitem que, nas salas de aulas, estejam estudando juntamente com seus filhos, uma grande parcela de estudantes negros. Imagina tem que viajar nos aviões ao lado de pessoas que não são da sua classe. Isso é um ultraje. E isso é culpa desse governo.

            Por este motivo, o SITRAEMFA manifesta o seu apoio, primeiro a pessoa da presidenta Dilma e repudia veementemente a atitude dessa elite hipócrita e fascista que não fez em 500 anos o que o PT fez, com os governos Lula e Dilma, pelo Brasil nos últimos 12 anos.

Por fim ratificamos o apoio deste sindicato ao governo da presidenta Dilma e procurará fazer o que for possível para a sua reeleição. Não nos resta dúvida que este é caminho certo a seguir. E que o Brasil precisa continuar trilhado rumo a um futuro de prosperidade e desenvolvimento com sustentabilidade para todos os brasileiros.

Sitraemfa

Rua Gonçalves Crespo, 324 Tatuapé/SP
Tel: (11) 4324-5915
Horário de atendimento: 08h às 17h

 
 

Filiado a

CUT CNTSS