suas

 

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CALENDÁRIO DAS 31 PRÉ-CONFERÊNCIAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL M’BOI MIRIM

Data: 20.6.2011

Local: Clube da Turma M’Boi Mirim

Endereço: Rua Maestro Massaino, s/nº - Estância Tangará - Ponto de referência: Estrada de M’Boi Mirim - Rua ao lado da Escola Estadual Luiz Magalhães

Horário: Das 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL IPIRANGA

Data: 21.6.2011

Local: CENTRO DE CONVIVÊNCIA HELIÓPOLIS - POLO CULTURAL End: Estrada das Lágrimas nº 2385 - São João Clímaco Horário: das 8h00 às 17h30

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL GUAIANASES

DATA: 22.06.11

LOCAL: CEU Lajeado

Endereço: Rua Manoel da Mota Coutinho, 293 - Lajeado

Horário: 8h30 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL CASA VERDE

Data: 28.06.2011

Local: Centro Comunitário Nossa Senhora Aparecida

Endereço: Rua Condessa Amália Matarazzo, 13 – Bairro: Jardim Peri

Horário: Das 9h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL ERMELINO MATARAZZO

Data: 29.6.2011

Local: FATEC

Endereço: Avenida Águia de Haia, 2.983 – Bairro:Ermelino Matarazzo

Horário: das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL PERUS

Data: 30.06.2011

Local: CEU ANHANGUERA

Endereço: Rua PEDRO JOSÉ DE LIMA, S/ Nº - BAIRRO: MORRO DOCE

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL VILA MARIANA

Data: 01.7.2011

Local: Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação

Endereço: Rua Major Maragliano, 191 – Bairro: Vila Mariana

Horário: Das 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL SANTANA

Data: 04.07.2011

Local: Faculdade Mozarteum

Endereço: Rua Nova dos Portugueses, 365 – Bairro: Imirim

Horário: Das 8h00 às 18h00

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL FREGUESIA DO Ó

Data: 05.7.2011

Local: Casa de Cultura Salvador Ligabue

Endereço: Largo da Matriz N. Senhora do Ó, 215 - Bairro: Freguesia do Ó

Horário: Das 9h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL PARELHEIROS

Data: 06.7.2011

Local: Organização Social Instituto Jovem Caminhar

Endereço: Av. Sadamu Inoue, 5617 – Bairro: Jardim dos Alamos

Horário: 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL SÃO MATEUS

Data: 07.7.2011

Local: CCA Dona Chantal

Endereço: Rua Dona Chantal, 28 – Bairro: Parque São Rafael – São Mateus

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL JABAQUARA

Data: 08.7.2011

Local: Sede do CRAS

Endereço: Rua dos Jornalistas nº 48 – Bairro: Jabaquara

Horário: Das 9h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL PENHA

Data: 11.7.2011

Local: Centro de desenvolvimento Comunitário Enturmando - Circo Escola de Vila Ré

Endereço: Rua Santo Henrique, nº 50 – Bairro: Vila Ré - Ao lado do Metrô Patriarca

Horário: Das 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL SÃO MIGUEL PAULISTA

Data: 12/07/2011

Local: CDC Tide Setúbal

Endereço: Rua Mario Dallari, 170 – Jd São Vicente – São Miguel Paulista

Horário- 8:00 às 18:00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL CIDADE ADEMAR

Data: 13.7.2011

Local: Clube da Turma

Endereço: Avenida Prof. Cardoso de Melo Neto – Bairro: Jardim Santa Terezinha

Horário: 9h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL ITAIM PAULISTA

Data: 14.7.2011

Local: Escola Municipal Prof. Carlos Pasquale

Endereço: Rua Barão de Alagoas, 223 – Itaim Paulista

Horário: das 8h00 às 18h00

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL MOÓCA

Data: 15.7.2011

Local: Arsenal da Esperança

Endereço: Rua Dr. Almeida Lima, 900 – Moóca

Horário: Das 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA

Data: 19.7.2011

Local: Subprefeitura de Vila Prudente/Sapopemba

Endereço: Rua do Oratório, 172 – Vila Prudente

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL CAPELA DO SOCORRO

Data: 20.7.2011

Local: CEU Vila Rubi

Endereço: R. Domingos Tarroso, 101 – Interlagos

Horário: 8h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL ITAQUERA

Data: 21.7.2011

Local: CEU Azul da Cor do Mar

Endereço: Avenida Ernesto de Souza Cruz, 2171 – Bairro: Cidade AE Carvalho

Horário: 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL SÉ

Data: 22.7.2011

Local: Liceu Coração de Jesus

Endereço: Alameda Dino Bueno nº. 285/353 - Bairro: Campos Elíseos

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL PIRITUBA

Data: 25.07.2011

Local: Faculdade Anhanguera – Campus Pirituba

Endereço: Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, 3.305 – Bairro: Pirituba

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL LAPA

Data: 26.7.2011

Local: UNINOVE BARRA FUNDA

Endereço: Rua Dr. Adolfo Pinto, 109 – Bairro: Barra Funda - Auditório - 12.º andar

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL CAMPO LIMPO

Data: 27.7.2011

Local: UNASP

Endereço: Estrada de Itapecerica, 5859 – Bairro: Jd. IAE – Capão Redondo

Horário: Das 8h00 às 17h00

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL BUTANTÃ

Data: 28.07.2011

Local: Educandário Dom Duarte – ONG “Liga das Senhoras Católicas de São Paulo”

Endereço: Av. Engenheiro Heitor Eiras Garcia, 5985, Raposo Tavares – Bairro: Jd. Educandário

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL JAÇANÃ

Data: 29.07.2011

Local: Igreja Santa Terezinha do Menino Jesus

Endereço: Av. Guapira, 2005 – Bairro: Jaçanã

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL PINHEIROS

Data 01.8.2011

Local: Paróquia São Luis Gonzaga

Endereço: Av. Paulista, 2378 - Tel.: 11 - 32315954 - Próximo à Esquina com a Rua Bela Cintra – SP - Ao lado do Metrô Consolação – Bairro: Bela Vista

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL VILA MARIA

Data: 02.08.2011

Local: UNINOVE

Endereço: Rua Guaranésia, 425 – Bairro: Vila Maria

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL SANTO AMARO

Data: 03.8.2011

Local: Colégio Adventista

Endereço: R. Professor Delgado de Carvalho, 118 – Bairro: Santo Amaro

Horário: 9h00 às 17h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL CIDADE TIRADENTES

Data: 04.8.2011

Local: CEU AGUA AZUL

Endereço: Avenida dos Metalúrgicos, 1.262

Horário: Das 8h00 às 18h00

 

PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL ARICANDUVA/FORMOSA

Data: 05.8.2011

Local: CENLEP

Endereço: Av. Regente Feijó, 1500 – Bairro: Jd. Anália Franco

Horário: 8h00 às 17h00

 

 

Lanamento_conferenciaTrabalhador e Sindicato são referencia no lançamento da IX Conferência Municipal de Assistência Social de SP

No dia 06 de maio aconteceu o lançamento da IX Conferência Municipal da Assistência Social no salão nobre da Camara Municipal, onde estiveram presentes a vice-prefeita da Cidade e titular da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social -SMADS, Alda Marco Antonio, em representação do Ministério de Desenvolvimento Social - MDS, Valeria Bonelli, Conselho Estadual de Assistência Social - CONSEAS-SP, Salete, Presidente do COMAS, Alicie Okada m, Ver. Floriano Pessaro (PSDB), Ver. Claudio Prado (PDT) e a Coordenadora do FAS, Nazareth Cupertino, que ressaltaram o tema da conferência “Valorização dos Trabalhadores e a qualificação da Gestão dos Serviços, Programas, Projetos e Benefícios", que acontecerá nos dias 5,6 e 7 de outubro, com 182 delegados retirados das 31 pré conferencias tendo um total de 180 municipais e 8 estaduais.

Após um minuto de silencio solicitado pela Coordenadora do FAS, Nazareth Cupertino, pela morte de uma pessoa em situação de rua, Nazareth fez um breve histórico das conferências anteriores. Ressaltou a necessidade de valorizarmos o trabalhador, na qualidade dos serviços e salários. E reafirmou que o profissional da assistência precisa de qualificação, pois ele lida com o sentimento humano, com pessoas que perderam tudo. "Precisamos ponderar os serviços, os equipamentos e a gestão, tanto das entidades como do governo municipal, neste sentido temos ainda um longo caminho" finalizou Nazareth Cupertino do FAS.

“Erradicação da miséria por intermédio da Intersetorial idade". Este é o compromisso da gestão ministerial, afirmou a representante do Ministério de Desenvolvimento Social - MDS, Valeria Bonelli, informando ainda que nos dias de 7 a 10 de Dezembro acontece a Conferencia Nacional.

A Vice-Prefeita da Cidade, e titular da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), Alda Marco Antonio, evidenciou a duplicação dos recursos do orçamento, fato também ressaltado pelo Ver. Floriano Pessaro (PSDB) que afirmou não se fazer política social sem dinheiro, que poderia acontecer sem grandes problemas com o projeto de Lei dos 5 %. Outra preocupação da vice-prefeita é com os recursos humanos, mas os primeiros passos já foram dados, pois temos que garantir a universalidade no atendimento, reafirmou.

 

 

No dia 14 de fevereiro os trabalhadores foram as ruas para mostrarem sua Indignação. Em um ato em frente à Câmara de Vereadores, os trabalhadores se reuniram para manifestarem sua insatisfação e revolta pela irresponsabilidade da prefeitura de São Paulo, na pessoa do prefeito Gilberto Kassab, que anualmente atrasa o repasse de verbas.

Quer saber? É uma vergonha este episódio!!! Todos os anos iniciam da mesma forma... Prefeitura de São Paulo atrasa verba e trabalhadores ficam sem salários e férias. O bom é que eles são criativos e a desculpa a cada ano é diferente.
Este ano o Prefeito Gilberto Kassab colocou a culpa no Sistema!!! Chamando assim os trabalhadores de retrógrados. Ou seja, que não têm o mínino de conhecimento de tecnologia da informação.
Mais uma vez, senhor Kassab estamos na era da tecnologia e até um acriança de 5 anos sabe mexer na internet na busca pelos seus interesses, imagine um trabalhador que está sem receber seus salários? Até quando seremos reféns das suas artimanhas e irresponsabilidades?
O TST já abriu precedente condenando a prefeitura a pagar verbas rescisórias de um trabalhador. E você trabalhador? É se mobilizando que conquistaremos nossos direitos.

SMADS

Compareceram no sindicato, sexta-feira 28 de julho, os trabalhadores do Serviço Especializado de Abordagem Social - SEAS, que serão atingidos diretamente pela portaria 41/SMADS/2017 – Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, a qual versa sobre a reestruturação dos serviços que acarretará um grande número de demissões de trabalhadores.

O Secretário de assistência social, Felipe Sabará alterou a forma de funcionamento dos SEAS, de maneira unilateral sem passar pelo Conselho Municipal de Assistência Social - COMAS, o qual tem o papel de propor, aprovar e fiscalizar as políticas públicas de assistência no município de São Paulo, não havendo, também, discussões com os demais atores que executam a política pública de assistência no município.

O sindicato, na conversa com os trabalhadores, falou da sua preocupação com o desmonte da política de assistência social na cidade de São Paulo e da falta de vontade política do governo Dória em melhorar ou ao menos manter uma política de assistência que atenda as demandas dos usuários respeitando os direitos dos trabalhadores e em conformidade com os direitos humanos.

Após os debates, foi tirado o encaminhamento da participação de todos os trabalhadores na reunião do COMAS que acontecerá no dia 31 de julho, segunda-feira, onde será discutida a portaria 41/SMADS/2017.

Companheiros(as) estamos vivendo uma conjuntura de grande instabilidade política, econômica e social que exige de todos capacidade de trabalharmos juntos para enfrentar o retrocesso causados pelas políticas perversas e higienístas do governo do PSDB na cidade de São Paulo.

Plano Nacional de Educação determina diretrizes, objetivos e estratégias para a política educacional a cada 10 anos. Alfabetização de crianças, erradicação do analfabetismo e universalização do acesso ao ensino fundamental estão longe de serem cumpridas.

A Campanha Nacional Pelo Direito à Educação apresentou nesta terça-feira (25), em audiência na Câmara dos Deputados, o relatório "10 anos do Plano Nacional de Educação". O documento mostra que, das 20 metas previstas na Lei 13.005/2014 — como melhorar os índices de alfabetização e universalizar a educação infantil —, apenas 4 foram atingidas ou parcialmente atingidas no período.

São elas:

meta 7: melhorar o fluxo de aprendizagem e aumentar as médias no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) - parcialmente cumprida;

meta 11: triplicar as matrículas no ensino profissional e técnico - parcialmente cumprida;

meta 13: aumentar a qualidade de formação dos professores de ensino superior - parcialmente cumprida.

Observação: A meta 14, que determina que ao menos 60 mil pessoas recebam o título de mestres, chegou a ser superada em 2017, mas teve uma leve queda após a revisão de dados em 2022 (59.374). Será preciso aguardar a contagem até o fim de 2024 para considerar que o objetivo foi alcançado.

Os maiores obstáculos foram:

  • corrigir os problemas de alfabetização dos alunos;
  • universalizar o acesso de crianças de 6 a 14 anos ao ensino fundamental (a situação piorou após a evasão escolar na pandemia);
  • recuperar as matrículas perdidas na Educação de Jovens e Adultos (EJA);
  • reduzir as distorções de idade-série dos alunos;
  • diminuir o analfabetismo funcional;
  • melhorar as condições de trabalho dos professores.

E houve os seguintes avanços importantes, segundo a campanha:

  • o número de alunos pretos em creches aumentou 13,7% ao longo do PNE;
  • a desigualdade entre brancos e negros na conclusão do ensino fundamental diminuiu;
  • a parcela de pretos e pardos no ensino superior cresceu sensivelmente.

O documento afirma que "a avaliação de 11 das 20 metas e seis estratégias do PNE foi afetada pela restrição na abertura dos dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) implementada em 2022".

Problemas políticos e econômicos atrasaram cumprimento de metas, afirma campanha

Entre os 38 dispositivos (estratégias mais específicas) mencionados dentro das metas do PNE, 90% não foram cumpridos, 13% estão em retrocesso e 30% apresentam lacuna de dados.

No último ciclo do PNE, de 2014-2024, havia 20 metas, como:

  • universalizar o acesso à educação infantil até 2016 (objetivo ainda não alcançado; índice atual é de 93%);
  • oferecer educação integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas (patamar de 2022 era de 34,4%);
  • elevar a taxa de alfabetização da população para mais de 93,5% até 2015 (meta alcançada em 2017);
  • aumentar a escolaridade média dos brasileiros de 18 a 29 anos para no mínimo 12 anos de estudo (resultado de 2022 foi de 11,7 anos).

O que é o PNE?

? O PNE é um projeto de lei com as metas para a educação para a década seguinte que determina diretrizes, objetivos e estratégias para a política educacional. A Lei atual, composta por 20 metas, foi aprovada em junho de 2014 e tem vigência válida até o final de junho de 2024.

Ainda assim, o Ministério da Educação (MEC) não enviou ao Congresso uma nova proposta de texto para esse documento, que é essencial na definição de metas para combater o analfabetismo, universalizar a educação básica e elevar a escolaridade média da população, por exemplo.

 

De: G1

Em 2019, 2,1 milhões de estudantes foram reprovados no Brasil, mais de 620 mil abandonaram a escola e mais de 6 milhões estavam em distorção idade-série. O perfil desses estudantes é facilmente identificável: formado muitas vezes por crianças e adolescentes negros(as) e indígenas ou com deficiências, concentrados(as) nas regiões Norte e Nordeste. Essa situação de desigualdades socioeducacionais agravou-se durante a pandemia da Covid-19, pois foram esses estudantes que enfrentaram as maiores dificuldades para seguir os estudos.

Para grande parte da sociedade, é quase uma norma o fato de que determinados perfis de estudante não aprendam e sejam reprovados muitas vezes até desistir. A cultura do fracasso escolar exclui os estudantes em situação de maior vulnerabilidade, que já sofrem outras violações de direitos dentro e fora da escola.

Segundo o estudo “Enfrentamento da cultura do fracasso escolar”, desenvolvido pelo Cenpec em parceria com a Unicef e o Instituto Claro, que integra a estratégia Trajetórias de Sucesso Escola, o ciclo do fracasso escolar se retroalimenta por uma combinação de indicadores: reprovação, distorção idade-série e abandono. No entanto, as concepções e práticas que sustentam a cultura do fracasso escolar contrariam o direito à educação, concretizado pelo “direito a conhecer e a aprender, a trajetórias escolares bem-sucedidas que construam desejos e aspirações para meninas e meninos” (p. 9).

Na apresentação do estudo, Florence Bauer, representante da Unicef no Brasil, reflete:

“Para reverter a situação, é fundamental um esforço conjunto do governo, da sociedade e da comunidade escolar para conhecer a fundo o problema, debater as diversas visões e enfrentar a cultura do fracasso escolar. A escola precisa ser um lugar seguro onde se conhece, se debate, se constroem e se reconstroem conhecimentos sem ameaças.”

Entre as ações necessárias, nesse sentido, Bauer aponta a revisão dos “currículos, a avaliação das aprendizagens e os cotidianos escolares, criando espaços inclusivos, em que todos tenham direito a trajetórias de sucesso escolar”.

 

Pesquisa

Nos últimos anos, o Brasil vinha avançando, lentamente, no acesso de crianças e adolescentes à escola.

Com a pandemia da Covid-19, no entanto, corremos o risco de regredir duas décadas. Em novembro de 2020, mais de 5 milhões de meninas e meninos não tiveram acesso à educação no Brasil – número semelhante ao que o país tinha no início dos anos 2000.

Desses, mais de 40% eram crianças de 6 a 10 anos, etapa em que a escolarização estava praticamente universalizada antes da Covid-19. É o que releva o estudo “Cenário da Exclusão Escolar no Brasil – um alerta sobre os impactos da pandemia da Covid-19 na Educação”, lançado em abril de 2021 pelo UNICEF em parceria com o Cenpec.

Com escolas fechadas em razão da pandemia, em novembro de 2020, quase 1,5 milhão de crianças e adolescentes em idade escolar não tiveram acesso a aulas (remotas ou presenciais). A eles se somam outros 3,7 milhões que estavam matriculados, mas não tiveram acesso a atividades escolares e não conseguiram se manter aprendendo em casa. No total, 5,1 milhões tiveram seu direito à educação negado.

A exclusão escolar atingiu crianças de faixas etárias em que o acesso à escola não era mais um desafio. Dos 5,1 milhões de meninas e meninos sem acesso à educação em novembro de 2020, 41% tinham de 6 a 10 anos; 27,8% tinham de 11 a 14 anos; e 31,2% tinham de 15 a 17 anos.

Exclusão dos(dos) mais vulneráveis

O estudo mostra, também, que a exclusão afetou mais quem já vivia em situação vulnerável. Em relação às regiões, Norte (28,4%) e Nordeste (18,3%) apresentaram os maiores percentuais de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos sem acesso à educação, seguidas por Sudeste (10,3%), Centro-Oeste (8,5%) e Sul (5,1%). A exclusão foi maior entre crianças e adolescentes pretos, pardos e indígenas, que correspondem a 69,3% do total de crianças e adolescentes sem acesso à Educação.

“Os números são alarmantes e trazem um alerta urgente. O País corre o risco de regredir duas décadas no acesso de meninas e meninos à educação, voltado aos números dos anos 2000. É essencial agir agora para reverter a exclusão, indo atrás de cada criança e cada adolescente que está com seu direito à educação negado, e tomando todas as medidas para que possam estar na escola, aprendendo.” Florence Bauer, representante do UNICEF no Brasil.

O estudo apresenta as seguintes recomendações: realizar a busca ativa de crianças e adolescentes que estão fora da escola; garantir acesso à internet a todos, em especial os mais vulneráveis; realizar campanhas de comunicação comunitária, com foco em retomar as matrículas nas escolas; mobilizar as escolas para enfrentarem a exclusão escolar; e fortalecer o sistema de garantia de direitos para garantir condições às crianças e adolescentes para que permaneçam na escola, ou retornem a ela.

A exclusão escolar, até 2019

Além dos dados sobre a exclusão escolar na pandemia, o estudo faz uma análise aprofundada do cenário educacional brasileiro antes dela. De 2016 até 2019, o percentual de meninas e meninos de 4 a 17 anos fora da escola no Brasil caiu de 3,9% para 2,7%.

As desigualdades, no entanto, permaneciam. Em 2019, havia quase 1,1 milhão crianças e adolescentes em idade escolar obrigatória fora da escola no Brasil. A maioria deles, crianças de 4 e 5 anos (384 mil) e adolescentes de 15 a 17 anos (629 mil). Na faixa etária de 6 a 14 anos, eram 82 mil.

A exclusão escolar afetava principalmente quem já vivia em situação mais vulnerável. Os maiores percentuais de exclusão de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos estavam nas regiões Norte (4,3%) e Centro-Oeste (3,5%), seguidas por Nordeste e Sul (2,7%) e Sudeste (2,1%). Os meninos eram maioria entre quem estava fora da escola nas faixas etárias mais novas. O cenário se invertia quando chegavam ao final da adolescência, em que 50,9% de quem estava fora era menina.

A exclusão era, proporcionalmente, maior nas áreas rurais, em comparação com as urbanas. Ela afetava mais crianças e adolescentes pretos, pardos e indígenas (71,3%), e estava focada nos mais pobres. Do total de meninas e meninos fora da escola em 2019, 61,9% viviam em famílias com renda percapita de até ½ salário mínimo.

As causas da exclusão variavam por faixa etária, mas destacavam-se a falta de vaga para os mais novos, e o desinteresse pela escola, aliado a gravidez na adolescência e trabalho para os mais velhos. Motivos relacionados à saúde somente apareciam na faixa etária de 6 a 14 anos, o que pode indicar um alerta um sobre inclusão de crianças com deficiência.

 

Quer baixar o estudo na integra, acesse: https://www.cenpec.org.br/pesquisa/cenario-da-exclusao-escolar-no-brasil/

Dia de Mobilização Nacional da Educação leva educadores do Brasil inteiro às ruas para lutar pela valorização da categoria e pelo cumprimento do piso do magistério 2022 nas redes de ensino municipais e estaduais e da Rede Parceira.

Para o ano de 2022, o piso é de R$ 3.845,73, ou seja, nenhum estado pode pagar abaixo desse valor. Agora a batalha é fazer valer a lei em todos os municípios, em todos os estados. É importante manter a defesa da carreira.

A luta desta quarta-feira reforça a mobilização pelo pagamento do piso, mas têm outras reivindicações, como a regulamentação do piso salarial dos profissionais da educação, a valorização dos planos de carreira, as contratações por concurso. A revogação do “Novo Ensino Médio” também está na pauta do dia, juntamente com a luta contra a militarização escolar, o homeschooling (educação domiciliar) e a lei da mordaça (Escola sem Partido).

 
A direção do SITRAEMFA juntamente com o seu Departamento Jurídico se reuniu com a Federação dos Trabalhadores da Educação FETSS, para discutirem sobre a Portaria que estabelece o Piso Nacional dos Professores da Educação Básica
Na ocasião foi feita uma solicitação para o Dieese um levantamento do impacto financeiro e ainda no estudo será verificado a quantidade de professores que há na Rede Parceira.
A direção do SITRAEMFA ainda aguarda o retorno do pedido de reunião com o secretário de Educação- SME. Já foram encaminhados vários ofícios e até o momento não obtivemos retorno, de qualquer forma foi encaminhada nova solicitação para discutirmos sobre o assunto com a Secretaria. Aguardamos o retorno!
Trabalhadores fiquem atentos para maiores informações, inclusive em uma LIVE que será agendada brevemente.
JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!

A Prefeitura de São Paulo determinou Instrução Normativa 53 de 2021 a contratação de Auxiliares de Sala para os Centros de Educação Infantil de forma proporcional a quantidade de crianças atendidas.

 

As funções são basicamente auxiliar os alunos e professores, acompanhar as crianças para o recreio e banheiro, organizar a sala, atender aos professores nas solicitações de materiais pedagógicos em sala ou de assistência às crianças e colaboração na organização da instituição.

 

Os auxiliares não poderão assumir em hipótese nenhuma a sala.

 

O piso salarial será aquele descrito em Convenção Coletiva de R$ 1.448, 13 exceto, se a prefeitura normatizar de forma diferente, sendo neste caso obedecido o melhor valor.

 

Enfatizamos que a contratação do Auxiliar de Sala não exclui a necessidade de contratação e existência do Professor Volante, sendo que este profissional pode assumir a sala de aula.

 

Caso haja desvirtuamento das atividades dos auxiliares de sala a organização poderá responder pelo desvio de função, sendo obrigada a pagar diferenças salariais e outros benefícios descrito em Convenção Coletiva.

 

Atenção trabalhador, mantenha seu sindicato FORTE!!! PARTICIPE!!!!!!!!!!

Sitraemfa

Rua Tamandaré 348 – 4º andar - Liberdade
Tel: (11) 4324-5915
Horário de atendimento: 08h às 17h

 
 

Filiado a

CUT CNTSS