Home | Sindical
Sindical
Morre nesta terça-feira José Luiz, presidente do DZ da Lapa PDF Imprimir E-mail
Ter, 23 de Maio de 2017 22:26
ze luiz
 
A direção do SITRAEMFA sente em informar o falecimento do companheiro José Luiz de Lima, presidente do Diretorio Zonal da Lapa- PT, ao 53 anos, faleceu após um infarto fulminante. 
 
Casado, pai de duas filhas, José Luiz foi reeleito presidente do Diretório Zonal da Lapa no PED 2017. Militante do PT de longa data, Zé Luiz trabalhou na Secretaria de Direitos Humanos, na gestão Haddad e tinha uma forte atuação partidária na região da Lapa, onde atuou como presidente do Diretório Zonal desde 2014. 
 
Formado em sociologia e pós-graduado em geografia, foi professor dessas matérias para alunos do ensino fundamental e médio. Também participava do setorial inter-religioso do partido. 
 
A direção deste sindicato se solidariza por esta perda e externa seus sentimentos aos familiares a amigos
 
 
Diretas, já! PDF Imprimir E-mail
Sex, 19 de Maio de 2017 17:08

5b99d41971718329f2770ee335ba213b

A CUT e as demais entidades que formam as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo vão realizar no próximo dia 21, em todo o Brasil, atos e manifestações para exigir a saída do ilegítimo presidente Michel Temer e eleições diretas. Em São Paulo, a concentração será em frente ao Masp, a partir das 15h.

No dia 24 também haverá uma Marcha a Brasília, convocada pela CUT e demais centrais sindicais, e que é uma prioridade do movimento sindical diante do novo cenário na política nacional após as denúncias contra Temer.

Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, para propor reformas tão drásticas e nefastas no mercado de trabalho e na aposentadoria dos brasileiros, é preciso ter no mínimo condição política e moral, coisa que o grampo que o dono da JBS Joesly Batista comprovou, Temer não tem.

“No dia 24 vamos exigir a interrupção imediata da tramitação das reformas (desmontes) da Previdência e Trabalhista, que acabam com a aposentadoria e com a CLT”, disse Vagner, que complementou: “Um governo golpista e sua base de apoio não têm nenhuma condição moral de defendê-las”.

A denúncia contra Temer

As provas de corrupção e suborno envolvendo diretamente o golpista Michel Temer, numa operação com a JBS para calar o ex-deputado Eduardo Cunha comprovam, o que há mais de um ano afirmamos, que o ilegítimo Temer não tem nenhuma condição de continuar na presidência da República.

Só o voto popular pode resolver essa imensa crise política, resgatar a democracia e credibilidade na principal instituição brasileira. Qualquer outra saída será golpe dentro do próprio golpe.

É por isso, que a CUT e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo convocam todos e todas para ocupar as ruas no próximo domingo, dia 21 de maio, de todas as capitais do país para exigir Fora, Temer e Eleições Diretas, Já! E preparar a maior Marchas a Brasília no dia 24.       

 

 
Ocupa Brasilia PDF Imprimir E-mail
Qua, 17 de Maio de 2017 08:32

ocupa

 

Centrais se preparam para 'invadir' Brasília contra reformas de Temer

Com a proximidade das votações de reformas do governo Temer, as centrais sindicais e movimentos sociais começam a partir desta semana uma série de ações tendo Brasília como alvo principal. Uma mobilização já está confirmada para quarta-feira (17), com visitas a gabinetes no Congresso, e uma semana depois as entidades farão marcha e ocupação na capital federal. 

Segundo as centrais, haverá "atividades nas bases sindicais e nas ruas para continuar e aprofundar o debate com os trabalhadores e a população sobre os efeitos negativos (das reformas) para toda a sociedade e para o desenvolvimento econômico e social brasileiro. Uma nova greve geral é uma possibilidade. "Sempre está no horizonte", diz o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre. 

O primeiro passo, observa, é fazer um "trabalho de convencimento" com deputados e senadores. A Câmara ainda votará a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, de "reforma" da Previdência. A comissão especial que analisava a PEC aprovou o relatório por 23 votos a 14. Para aprovação em plenário, o governo precisa de 308 votos, e a base governista não tem convicção, neste momento, de que conseguirá atingir esse número, dada a rejeição ao tema, e pode protelar a votação até junho.

"A Previdência é muito mais sensível à população", observa o presidente da UGT, Ricardo Patah, para quem depois da greve geral de 28 de abril o ambiente político mudou. Ele também destaca a reunificação das centrais depois de "algum distanciamento" ocorrido durante o processo de impeachment. "Toda a vez que a gente se dividiu, perdeu", diz Sérgio Nobre.

Greve geral

"A forte paralisação teve adesão nas fábricas, escolas, órgãos públicos, bancos, transportes urbanos, portos e outros setores da economia e teve o apoio de entidades da sociedade civil como a CNBB, a OAB, o Ministério Público do Trabalho, associações de magistrados e advogados trabalhistas, além do enorme apoio e simpatia da população, desde as grandes capitais até pequenas cidades do interior", afirmam as centrais (CGTB, CSB, CSP-Conlutas, CTB, CUT, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT) em nota divulgada logo depois de reunião realizada na última segunda-feira (8), em São Paulo.

No mesmo documento, as entidades fazem referência à ocupação em Brasília. "Conclamamos toda a sociedade brasileira, as diversas categorias de trabalhadores do campo e da cidade, os movimentos sociais e de cultura (...) para reiterar que a população é frontalmente contra" a aprovação das reformas e qualquer tentativa de retirada de direitos.

"É uma reforma para o setor patronal", disse o senador Humberto Costa (PT-PE) à chegada do projeto de "reforma" trabalhista, aprovado na Câmara como PL 6.787 e agora tramitando como PLC 38. Na semana que começa, estão previstos mais debates: na terça (16), haverá nova sessão temática em plenário e na quarta, outra sessão conjunta entre comissões de Assuntos Econômicos e Assuntos Sociais. O projeto vai passar também pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania – na sexta (12), o relator da projeto na CCJ, Romero Jucá (PMDB-RR), recebeu representantes das centrais. O governo pressiona para votação em regime de urgência, mas os senadores afirmam, pelo menos oficialmente, que isso só será discutido depois de mais debates nas comissões.

 

 
NOTA À IMPRENSA DA FRENTE BRASIL POPULAR PDF Imprimir E-mail
Qui, 11 de Maio de 2017 13:06

lula-na-Paulista-Ricardo-Stuckert-Instituto-Lula-689x294

A Frente Brasil Popular informa que estiveram presentes no encerramento da Jornada de Lutas pela Democracia, na noite de ontem (dia 10), 50 mil pessoas.

No mapeamento da Frente, cerca de 400 ônibus foram organizados a partir de diferentes estados e entidades, mas o número de caravanas certamente é maior porque a organização também partiu de iniciativas individuais. Além disso, somaram-se a isso caravanas que vieram de outras formas – o que foi mais uma forma de riqueza dessa jornada.

Ficaram no Acampamento pela Democracia nove mil pessoas, além dos manifestantes que circularam por ali, entre debates e atividades políticas e culturais.

Até o início da noite de hoje (11), o terreno do acampamento será desocupado.

 
A luta continua: 1º de Maio da Resistência é na Paulista PDF Imprimir E-mail
Dom, 30 de Abril de 2017 10:00

84d699a0d657f13981881ee1ef2fc635

Ato ocorre logo após a grande Greve Geral que paralisou São Paulo e o Brasil contra a retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras

No dia 28 de abril de 2017, 100 depois da realização da primeira greve no Brasil, a classe trabalhadora protagonizou a maior Greve Geral da história do País. Os trabalhadores/as cruzaram os braços e não saíram de casa em resposta aos ataques aos seus direitos promovidos pelo governo ilegítimo de Michel Temer e sua base golpista no Congresso Nacional. A classe trabalhadora disse não às reformas Trabalhista e Previdenciária, que acabam com a previdência pública e com a carteira de trabalho (CLT) no Brasil.

E é com o espírito de luta desta histórica Greve Geral que realizaremos a tradicional manifestação do 1º de Maio, Dia dos Trabalhadores e das Trabalhadoras. Será um ato de resistência contra o maior ataque aos direitos já ocorrido no Brasil.

O ato do 1º de Maio vai reafirmar aos golpistas - que não admitem publicamente que paramos a produção no país nesta sexta-feira (28) – a vontade de todos os trabalhadores/as de barrar a tramitação das reformas Trabalhista, que foi encaminhada ao Senado, e Previdenciária, que começa a tramitar na Câmara.

Na capital paulista, organizamos um ato de resistência agregando política e cultura. É fundamental, neste momento de ataques aos direitos trabalhistas, previdenciários e sociais, que a cultura esteja presente e seja um instrumento de formação crítica e também uma expressão política da resistência do povo brasileiro.

O esforço da CUT e das demais entidades que organizam o ato – CTB, Intersindical e frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo – é de conectar os temas trabalhistas aos diversos grupos sociais, em especial a juventude. No último período, a juventude e artistas se levantaram contra o golpe e por bandeiras sociais importantes, como a defesa da democracia e o fim do racismo, machismo, homofobia e qualquer tipo de opressão. E é com essa diversidade que realizaremos um grande 1º de Maio, dois dias depois da grande Greve Geral que parou o Brasil. Lutar e resistir! Ocuparemos a Av. Paulista por nenhum direito a menos!

1º DE MAIO DA RESISTÊNCIA POR:
. APOSENTADORIA
. DIREITOS TRABALHISTAS
. EMPREGO PARA TODOS E TODAS
100 ANOS DEPOIS DA 1ª GREVE GERAL NO BRASIL, A LUTA CONTINUA!


Douglas Izzo
Presidente da CUT-SP⁠

 


Página 1 de 12

Expediente

Aldo Damião Antonio - presidente
presidencia@sitraemfa.org.br 

João Faustino - diretor de comunicação
sec.imprensa@sitraemfa.org.br 

Alessandra Cordeiro - assessoria de imprensa
imprensa@sitraemfa.org.br

Endereço

Sede:
Rua Gonçalves Crespo, 324, Tatuapé/SP 
Tel.: 11 4324 5915

Subsede Leste -
Rua Arlindo Colaço, 32 - Centro de São Miguel
tel: 11 2033 0150

Endereço:

Subsede Sul:
Rua Ada Negri, 127 - Santo Amaro
Tel: (11) 5641-0183 

Subsede Noroeste:
Rua Domingos Rodrigues, 420 - Lapa
Tel: (11) 2503-8071