Os trabalhadores da educação em São Paulo têm um novo instrumento de luta nas mãos, a partir de junho. Foi fundada a Federação dos Trabalhadores na Educação Pública no Estado de São Paulo (Fete-SP), que já nasce filiada à Central Única dos Trabalhadores e à Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE).


A federação reúne trabalhadores e sindicatos em âmbito estadual e municipal. Entre outros objetivos, a ideia é congregar pautas comuns das categorias que atuam na educação paulista, como condições dignas de trabalho e melhorias nas questões socioeconômicas.

A assembleia de criação deste novo espaço ocorreu no dia 26 de maio. Foram eleitos 21 diretores executivos, 11 diretores plenos, além de um conselho estadual de entidades.

Presidenta eleita da Fete-SP e professora de História aposentada, Nilcéa Fleury explica que existe um vácuo entre segmentos dentro da área da educação no estado de São Paulo, o que justifica esta iniciativa.

“Existem prefeitos, por exemplo, que estão fechando salas de aula em cidades do estado de São Paulo como uma ação orquestrada. Uma redução de custo atrás da outra, que piorou ainda mais com a reforma trabalhista. A federação vem para reunir os trabalhadores da educação para debater questões como essa, mas que ocorrem em diferentes cidades. Vamos enfrentar os desmandos do poder público de forma unitária”, afirma.

A criação da federação é também uma resposta ao cenário de crise no Brasil, diz o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo.

“Vivemos um momento em que os governos tentam empurrar para cima dos trabalhadores a culpa pela crise. A federação cumpre um papel importante, principalmente nos pequenos municípios onde o ataque é mais duro aos trabalhadores, em função da PEC (Proposta de Emenda Constitucional 55) do Fim do Mundo aprovada pelos golpistas para congelar os gastos públicos por vinte anos.”

Confira, abaixo, a relação das entidades que compõem a federação.

- Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp)
- Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo (Afuse)
- Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza (Sinteps)
- Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança, ao Adolescente e à Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa)
- Sindicato dos Professores de Americana (Sinproam)
- Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de Itu (Sintemi)
- Sindicato dos Professores de Santa Bárbara d'Oeste (SindProSBO)
- Sindicato dos Trabalhadores de Educação de Francisco Morato (Sinteframo)
- Associação dos Profissionais e Trabalhadores da Educação na da Estância Hidromineral de Poá (Apep/Poá)
- Associação dos Profissionais e Trabalhadores na Educação Pública do Município de Ferraz de Vasconcelos (Aspef)
- Associação dos Professores de Osasco e Região (Apos).

Denúncia partiu da CUT e demais entidades sindicais

A reforma trabalhista do golpista e ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), que acabou com direitos e legalizou formas de contratação fraudulentas, colocou o Brasil na lista dos 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A decisão foi anunciada nesta terça-feira (29), na 107ª Conferência Internacional do Trabalho, realizada em Genebra, na Suíça.

Ao entrar na chamada ‘lista curta’ da OIT – dos 24 casos mais graves registrados no mundo -, o Brasil passará a ser alvo de um intenso exame pela Comissão de Aplicação de Normas da Organização. Na prática, o governo será obrigado a responder sobre as violações de normas das quais o Brasil é signatário, o que gera um constrangimento internacional ao país. 

Para o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antonio Lisboa, o anúncio é, na realidade, um reconhecimento da denúncia feita pela CUT desde que o governo Temer começou a discutir a reforma trabalhista (Lei nº 13.467, em vigor desde 11 de novembro do ano passado).

“Além de ferir gravemente as normas internacionais do trabalho, a reforma trabalhista representa um retrocesso de cerca de 100 anos nos direitos trabalhistas conquistados com muita luta ao longo de décadas”, diz Lisboa.

“Foi uma lei aprovada em tempo recorde, sem negociação, nem diálogo com os trabalhadores, que perderam direitos históricos, praticamente rasgou a CLT e ainda colocou o trabalhador na mão do patrão,” disse o dirigente se referindo a itens como a demissão acordada entre o patrão e o empregado que reduz em 50% o aviso prévio e em 20% o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, entre outras perdas.

Todo ano, a partir de uma avaliação prévia do Comitê de Peritos da OIT, especialistas em relações do trabalho do mundo todo, representantes de empregadores e trabalhadores estabelecem uma lista preliminar de 40 casos de graves violações, a chamada “lista longa”. Dessa lista, são selecionados os 24 casos mais graves.

Com Temer, o Brasil entrou na lista longa em 2017 por violar as Convenções 98, 151 e 154. E, agora, em 2018, com a nova legislação em vigor, o País passou a integrar a lista curta por violar as Convenções 98 e 144, que tratam, respectivamente, da regulamentação da Convenção Coletiva e da obrigatoriedade de consulta aos trabalhadores em casos de mudanças como as promovidas pela reforma trabalhista.

Segundo Lisboa, no total, a OIT tem 189 Convenções e 202 recomendações e nem todas entram na lista anual de violações a serem analisadas. Este ano, a Convenção 98, por exemplo, não estava na lista de normas a serem verificadas junto aos países membros da Organização.

“Entretanto, agora, seis meses após a aprovação da nova lei, a gravidade e a quantidade de ataques promovidos não deixaram dúvidas sobre as consequências da reforma trabalhista e a OIT abriu exceção para analisar o caso do Brasil”, explicou Lisboa.

Em 2017, a CUT já alertava para as ameaças aos direitos trabalhistas, mas, como no primeiro semestre do ano passado a lei ainda não havia sido aprovada, o Brasil, embora constasse na "lista longa" de 40 casos, não foi incluído na lista curta. 

“A CUT trabalhou para que o Comitê de Peritos continuasse as discussões este ano e, dessa vez, conseguimos que eles inserissem o país na lista de 24 casos graves.”

Lisboa explica que dois pontos aprovados pela reforma e previstos na nova legislação trabalhista foram determinantes para a análise do caso: a possibilidade do negociado prevalecer sobre o que está na lei – negociado sobre o legislado - e a permissão da demissão individual, negociada com o patrão e sem a participação do sindicato.

Para o secretário de Relações Internacionais da CUT, diante dos graves ataques do governo ilegítimo de Temer aos direitos trabalhistas, instrumentos internacionais de proteção, como as Convenções da OIT, são uma importante linha de defesa jurídica.

“E a CUT não medirá esforços para defender os interesses da classe trabalhadora brasileira”, conclui.

Em nota divulgada nesta madrugada no Brasil, início da manhã em Genebra, a CUT e demais centrais analisam que a inclusão do nome do Brasil na lista suja pode ser uma oportunidade para o governo brasileiro rever a reforma trabalhista.

Brasil na lista suja da OIT

NOTA OFICIAL DAS CENTRAIS SINDICAIS  
A OIT - Organização Internacional do Trabalho decidiu nesta terça feira, 29 de maio, incluir o Brasil na lista dos 24 países violadores das suas convenções e normas internacionais do trabalho.

A inclusão do Brasil na lista se deu em decorrência da aprovação da Reforma Trabalhista (Lei 13.467/17) que retirou dezenas de direitos das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros, violando normas fundamentais da OIT, especialmente a Convenção 98, ratificada pelo Brasil, que trata do Direito de Sindicalização e de Negociação Coletiva. A OIT avalia que a possibilidade do negociado prevalecer sobre o legislado para retirar ou reduzir direitos e de ocorrer negociação direta entre trabalhador e empregador, sem a presença do Sindicato, são dispositivos que contariam a referida convenção.
 

Esta decisão da OIT, uma agência da ONU – Organização das Nações Unidas, confirma as denúncias das Centrais contra as práticas antissindicais do governo que se tornaram ainda mais graves com a tramitação do projeto da reforma no Congresso Nacional, aprovada sem diálogo com as representações de trabalhadores e trabalhadoras, neste caso, violando também a Convenção 144 da OIT.
 
Diante da decisão da OIT, os trabalhadores e trabalhadoras brasileiros esperam agora que o governo reconheça a gravidade do erro cometido e faça a revogação imediata da reforma trabalhista.
 
Genebra, 29 de maio de 2018.

CUT – Central Única dos Trabalhadores 
CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros
CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
FS – Força Sindical
NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores
UGT - União Geral dos Trabalhadores

Centrais sindicais e movimentos populares constroem ação unitária na capital

Em 2018, o tradicional evento do 1º de Maio, Dia dos Trabalhadores e das Trabalhadoras, leva para as ruas de São Paulo a defesa da democracia, dos direitos, dos empregos, dos salários e das aposentadorias. E, alinhado aos eventos que ocorrerão em todo Brasil, traz entre os motes a luta pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ato unificado e as atrações artísticas ocorrerão na Praça da República, região central da cidade de São Paulo, a partir das 12h. Neste ano, o evento é realizado pela CUT, CTB, Intersindical e movimentos que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Entre as atrações confirmadas estão a banda Liniker e os Caramelows, que mescla black music e soul e é encabeçada pela cantora trans Liniker; o cantor Chico César; a rapper Preta Rara, a sambista Leci Brandão, o grupo Mistura Popular, a ala Unidos de Santa Bárbara, o compositor e intérprete de grandes escolas de samba, André Ricardo, e os cantores e intérpretes do carnaval em 2018 pela escola de samba Paraíso do Tuiuti, Grazzi Brasil e Celsinho Mody. 

Presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo ressalta que o Brasil vive um momento de aprofundamento da retirada de direitos, que exige ação permanente dos movimentos sindical e sociais. 

“Temos que ampliar os atos de ruas e construir greves contra as empresas que publicamente apoiaram e ainda apoiam o golpe. Sabemos a quem serve a reforma trabalhista aprovada no Brasil e tantas outras reformas como a da Previdência, que atenderá aos interesses dos banqueiros e setores que financiaram a retirada da presidenta eleita Dilma Rousseff e que agora apoiam a prisão política e arbitrária de Lula”, diz o dirigente.

Neste sentido, o 1º de Maio representa a resistência popular e uma resposta da sociedade ao cenário político brasileiro, como afirma o presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas.

“É a resistência contra o fascismo, a violência, a judicialização da política e contra uma imprensa que se torna cada vez mais inquisidora. A prisão política do Lula é o maior ato de repressão contra um dos mais importantes personagens de nossa história, que representa um projeto de país, de um Brasil para todos. É por isso que lutamos por sua liberdade e por eleições diretas. Garantir a vitória de Lula como presidente significa termos de volta a democracia, os direitos sociais e trabalhistas e a manutenção das empresas públicas”, conclui.

Cidades organizadas 

Além da capital, ocorrerão atividades do 1º de maio em cidades do interior paulista. Em Osasco, a atividade contará com a tradicional corrida e caminhada dos trabalhadores e trabalhadoras, que terá início às 8h, em frente à sede da Prefeitura de Osasco, na Avenida Bussocaba, 300, no centro. Na cidade de Campinas, os movimentos sindical e sociais se concentrarão às 9h, no Largo do Pará, no centro. De lá, os manifestantes sairão em caminhada até a Catedral de Campinas, na Praça José Bonifácio, s/n, também na região central, onde ocorrerá ato unificado. Em Araraquara, apresentações culturais e ato político começam às 14h, na Praça Scalamandré Sobrinho, no bairro Vila Ferroviária.

Em assembleia especifica para sócios do SITRAEMFA dos trabalhadores da Rede Conveniada e Fundação CASA, a direção do sindicato, por seus diretores de finanças, Maria Gusmão (Rede Conveniada) e Adônico Marques (Fundação CASA) apresentou nesta sexta-feira, 15/12 as contas do sindicato do ano de 2016.

Após abertura da assembleia pelo presidente do sindicato, Aldo Damião Antonio, o conselho fiscal apresentou o seu parecer aprovando a prestação de contas do ano de 2016.

Maria Gusmão, secretaria de finanças descreveu aos presentes todas as contas do sindicato evidenciando o balancete do ano, entre despesas e receitas, finalizando com saldo positivo.

No final da explanação os trabalhadores, por unanimidade aprovaram a prestação de contas do ano de 2017, exercício de 2016.  

Hoje, 15/12/17, em cerimônia solene na sede do sindicato, os novos diretores do SITRAEMFA cujo mandato sindical refere-se ao triênio 2017/2020, com vencimento no dia 15 de Dezembro de 2020, foram empossados pelo presidente da comissão eleitoral Aparecido Luiz da Silva.

O presidente da comissão eleitoral, Aparecido L. da Silva abriu a solenidade convocando o presidente reeleito, Aldo Damião Antonio; tesoureira, Maria Gusmão Pereira e Sérgio do Espírito Santo Rodrigues Anderson, que instalaram a mesa dos trabalhos da cerimônia de posse.

Silva lembrou aos presentes que estamos num período, no qual os direitos não estão a favor da classe trabalhadora e que ser um sindicato combativo será a diferença para conquista de novos direitos.  

Silva finalizou a cerimônia empossando a nova diretoria e agradeceu aos diretores que estiveram na direção anterior, que foram importantes na construção deste sindicato.

Diante dos constrangimentos que alguns mesários estão passando nesta eleição é salutar fazer alguns esclarecimentos.

Tivemos a inscrição de três chapas neste processo eleitoral. A Chapa 1 se inscreveu no primeiro dia, as Chapas 2 e 3 se inscreveram no ultimo dia (26/09), por volta das 16:40. A inscrição terminava às 17hs.

Foram recebidos todos os documentos. Na Chapa 2, encabeçada por Aline Louise foram observados pela Comissão a falta de vários documentos, como RG e CPF documentos fundamentais para a inscrição até numero a mais de candidatos foram inscritos. O que também ocorreu com a Chapa 3 encabeçado Antonio Sergio.

Em consequência da inscrição tardia, não foi possível no mesmo dia consultar o setor de cadastro do Sindicato, para verificação cadastral. Mesmo assim foram concedidas as chapas mais um dia para que verificassem e fizessem os ajustes necessários.

Portanto, no dia (28/09) o cadastro informou que em ambas as chapas haviam candidatos que não eram sócios e outros que não estavam com os pagamentos em dia, requesitos básicos para inscrição da Chapa, conforme estatuto sindical.

Não tendo esses requisitos as chapas não atendiam os requisitos básicos para inscrição. A Chapa 2, da senhora Aline, tinham seis (6) nomes que não estavam em dia com a contribuição financeira ou não tinham o prazo mínimo de filiação para ser candidatos. A Chapa 3 tinha dez nomes (10) que além de terem os mesmo problemas que a Chapa 2, tinha um dos nomes que o candidato nem era sócio.

A Chapa 2, encabeça por Aline e a Chapa 3, encabeçada por Antonio Sergio foram impugnadas por não atingirem o numero necessários para inscrição da chapa.

Ouça aqui o áudio na integra do presidente da Comissão Eleitoral, Aparecido Luiz, que dá explicação com maiores detalhes

 

Iniciamos mais um dia nas eleições sindicais 2017 do SITRAEMFA. Os trabalhadores estão dando um banho de democracia, indo às urnas para exercerem o seu direito.

Os trabalhadores da Rede Conveniada e da Fundação CASA conscientes de seus deveres cívicos, estão demonstrando nas urnas a força da democracia, pois o corpo do sindicato são os trabalhadores.

Mesmo porque está para entrar a reforma trabalhista do governo golpista Temer, que afetará os direitos garantidos a partir das negociações entre sindicato e empregadores. Mais uma vez temos que dar força ao nosso sindicato para garantir os nossos direitos já conquistados.

Exerça seu direito nas eleições do SITRAEMFA, que vão até o dia 10/11, sexta-feira e deverá eleger a Diretoria Executiva, Diretoria Regional, Conselho Fiscal e Suplentes, para o próximo triênio.

Nesta segunda-feira, 06/11/2017 tiveram inicio as eleições do SITRAEMFA 2017, que deverá eleger a Diretoria Executiva, Diretoria Regional, Conselho Fiscal e Suplentes, para o próximo triênio.

As urnas da Fundação CASA e Rede Conveniada, que estão endereçadas na cidade de São Paulo saíram e já estão em seus locais de votação para coleta de votos dos eleitores das duas categorias.

As urnas do interior que ficam no extremo do estado e litoral saíram no inicio da noite e inicio da madrugada do domingo (05/11), para darem inicio a coleta de votos dos trabalhadores da Fundação CASA no dia 06/11, inicio das eleições.

E atenção nestes dias 06, 07, 08, 09 e 10/11/2017 o setor administrativo do sindicato não terá expediente, retornando normalmente suas atividades na segunda-feira, 13/11/2017.

A comissão eleitoral cumprindo a determinação do Estatuto julgou hoje (04/10) o único recurso contra a chapa 1 RESISTIR E LUTAR, depois da publicação da lista de seus candidatos no jornal diário de São Paulo.

Com o indeferimento do pedido a Chapa 1 é a única habilitada a disputar a eleição do Sitraemfa, já que as chapas 2 e 3 não conseguiram dentro do prazo de registro inscrever suas chapas por terem indicado várias pessoas que não estavam em dia com as mensalidades do sindicato ou que não tinham um ano de filiação, requisitos básicos para ser um candidato.

Ainda conforme o Estatuto Sindical da entidade foi afixada a ata na integra no mural do sindicato, que também por força do regimento.

Veja na integra a ata da Comissão Eleitoral, clique aqui

 

 

Nos dias 26 e 27 de agosto, acontecerá a I Conferência Municipal de Vigilância em Saúde da cidade de São Paulo, o Sitraemfa estará presente com dois delegados (as), os diretores Maxwel e Ana Cláudia. O evento debaterá a política municipal de vigilância em saúde.

A diretoria do sindicato tem debatido juntamente com a Central Única dos Trabalhadores - CUT, as questões relacionadas à vigilância em saúde do trabalhador com o objetivo de contribuir para que os trabalhadores tenham um meio ambiente de trabalho saudável, menos adoencedor e possibilite melhor qualidade de vida e condições de trabalho.

Subcategorias

Sitraemfa

Rua Gonçalves Crespo, 324 Tatuapé/SP
Tel: (11) 4324-5915
Horário de atendimento: 10h às 18h

 
 

Filiado a

CUT CNTSS